Lançado em: 29-12-2017

Deus o maior Garimpeiro.

 

Estamos celebrando a festa da vida, a festa do perdão, a festa da alegria e do amor. É Natal! É tempo de luz! É tempo de vida! Celebrando esta festa, caro leitor, você pode estranhar o título deste texto, afinal o que tem a ver garimpo com Deus? Pior ainda: o que tem a ver garimpo com Natal?

Para responder a estas questões, tão válidas, começo propondo uma comparação sobre os dois modos que podemos encara a vida. O primeiro modo é o do abutre. Este animal nos parece asqueroso, nojento e pífio. Ninguém quer ter um abutre como bicho de estimação, muito ao contrário, queremos um animal como esse longe de nós. Mas, e se eu disser a você que podes estar te comportando como um abutre? Isto geraria um espanto, mas é a verdade.

O abutre é aquele animal que só se alimenta do que está morto, do que é podre, do que fede, daquilo que é resto. Ele pode sobrevoar um lugar cheio de coisas boas, agradáveis, deliciosas, suculentas, mas ele só vê aquilo que está podre, que fede, que é ruim, que é desagradável. Parece que a visão do mesmo está treinada para isso, o que o satisfaz é encher a barriga daquilo que não é nada bom.

Assim também, podemos ser cada um de nós. Quando nosso modo de ver a vida é pautado pelo pessimismo, pelo rancor, pelo ódio, pela indiferença, pela ignorância, começamos a ser como abutres, a perder a capacidade de ver o que há de bom e começarmos a enxergar só o que há de ruim, o que não está bom, o que não serve e nos alimentar disso sempre. Infelizmente, muitos de nós, estamos como abutres, estamos sobrevoando pelas nossas vidas e só paramos o nosso olhar naquilo que o outro tem de pior, naquilo que nós mesmos temos de pior, naquilo que a vida tem de difícil.

O segundo modo que quero propor é do garimpeiro, e por este vamos entender o porquê Deus é o maior garimpeiro. O garimpeiro é aquele que ganha a sua vida procurando pedras preciosas, procurando joias de grande valor, é um trabalho árduo, difícil, que requer muito esforço, muita dedicação e muito empenho. Não é fácil encontrar pedras preciosas, são regiões difíceis, elas estão em meio a lama, a água barrenta, a sujeira, mas o garimpeiro não desiste ele sabe que há algo bom ali em meio a tantas coisas.

Deus é o maior garimpeiro e o natal é a maior prova do seu garimpo. Deus vendo a condição humana, envolta em trevas, preenchida por falsos valores, atolada em situações de sofrimentos terríveis, foi como garimpeiro, percebeu que havia em sua criação uma preciosidade e nos deu o seu filho. Celebrar o natal é perceber que Deus não deixou e não deixa de se esforçar para achar em nosso meio a pedra preciosa que parece estar perdida. Deus não se cansa de nós, Ele nos ama, cuida de nossas limitações, abre a nós as portas do seu amor e do seu perdão. Somos amados!

A encarnação do Verbo é a maior prova de que Deus acredita em nós, Ele acredita na sua família, Ele se fez carne habitou em nosso meio e como um grande garimpeiro foi descobrindo as pedras preciosas em meio a lama do pecado que existia no coração de tantas pessoas. Natal é tempo de aprendermos com o menino Jesus a fugirmos desse olhar pessimista, desse fixar o olhar somente naquilo que é ruim, que poderia ser melhor, que está péssimo, que não serve, é tempo de retirarmos o olhar dos erros dos outros e do nosso próprio erro.

Como o Deus sejamos garimpeiros, aprendamos a procurar a pedra preciosa que está escondida dentro do rancor que existe em nossos lares, dentro da falta de perdão, de amor, de cuidado, dentro da ignorância, da falta de fé que têm gerido e alimentado nossas famílias. Com o Natal aprendamos a não ser mais abutres a colocarmos nosso olhar naquilo que realmente vale a pena, ou seja, nas graças que Deus tem derramado sobre nós, sobre nossas famílias, sobre nossos corações.

            A pergunta que não quer calar é: que tipo de pessoa é você: abutre ou garimpeiro? Se és um abutre, é tempo do Natal, deixe o menino Jesus nascer em seu coração, Ele vai te iluminar, vai te ensinar que a verdadeira resposta está no presépio de Belém, vai te ensinar a buscar as coisas do alto, a retirar o seu olhar dessa fixação pessimista, a abandonar a murmuração e a ignorância e dar espaço ao amor, ao perdão e a paz. Feliz Natal!

 

Marcus Vinicius França. Pré-Noviço. OFM. Conventuais.



ÚLTIMOS LANÇAMENTOS

Lançado em: 20-09-2018

SANTO ANDRÉ KIM TAEGON E COMPANHEIROS


Lançado em: 16-09-2018

Os estigmas de São Francisco por Dom Laurence Freeman


Lançado em: 15-09-2018

Nossa Senhora das Dores


Lançado em: 14-09-2018

O que significa a festa da Exaltação da Santa Cruz?


Lançado em: 14-09-2018

Exaltação da Santa Cruz