Lançado em: 29-03-2017

Falece o grande liturgista Frei Alberto Beckhäuser

Às 22h00 da noite de 28 de março, faleceu, em Petrópolis, Frei Alberto Beckhäuser. Ele estava internado no Hospital da Beneficência Portuguesa, e sofria de câncer no pâncreas, diagnosticado em janeiro deste ano. Na manhã de ontem, terça-feira, por boletim online, a pedido do guardião Frei Fábio Cesar Gomes, comunicávamos que o estado de Frei Alberto se agravava a cada dia. Mostrava-se extremamente fraco e fazia grande esforço quando deseja dizer algo. Nos últimos dias, quase sempre estava sedado, devido às dores.

O corpo de Frei Alberto Beckhäuser está sendo velado na capela do Instituto Teológico Franciscano, de Petrópolis, e o sepultamento acontecerá após a Missa de Exéquias, às 16h00.
O Ministro Provincial, Frei Fidêncio Vanböemmel, deixou a seguinte mensagem no seu perfil do Facebook.

AO MESTRE COM CARINHO!

Doeu-me a notícia que recebi do guardião da Fraternidade São Francisco, Frei Fábio C. Gomes, de Petrópolis, RJ, na noite desta terça feira: “Frei, nosso Frei Alberto Beckhäuser acabou de descansar”.
Ele me telefonou na noite da virada do ano. Relatou-me sua situação, consciente da gravidade da sua doença (câncer), e escreveu a seguinte mensagem no dia 1º de janeiro deste ano depois de tê-la escrito a partir do mistério da Encarnação do Senhor:

Francisco e os irmãos enfermos:
“Peço ao irmão enfermo
dê por tudo graças ao Criador, e seu próprio desejo
seja de ser
assim como Deus quiser,
são ou doente”(São Francisco, RnB, cap. 10).
Desde o noviciado, como Mestre, procurei passar aos noviços tal atitude. E há anos procuro viver na oração e no canto tal atitude, compondo o canto: “Em tudo dou-vos graças, ó Pai, por Cristo, no Espírito Santo” e “Fazei-me um convosco, ó Pai, por Cristo no Espírito”.
Peço suas orações para que nesta enfermidade possa em tudo dar graças ao Criador. Em tudo!
Petrópolis, Natal do Senhor de 2016. Frei Alberto Beckhäuser, OFM
Caro Frei Alberto, mestre no Noviciado e grande professor em Liturgia, muito obrigado pela sua dedicação, seriedade acadêmica no cuidado de ensinar a sagrada Liturgia com paixão, espírito e vida!
Descanse em Paz, meu mestre!

Dados pessoais, formação e atividades

– Nasceu aos 20 de maio de 1935 (81 anos de idade), na Freguesia deSanta do Coqueiro Baixo, hoje também chamada Santa Teresinha, então, município de Criciúma, um tempo, pertencente ao Mun. de Nova Veneza e, hoje, Forquilhinha, SC.
– Frei Alberto era o quinto de 12 filhos do casal Ernesto Beckhäuser e Helena Hoepers. Seus pais são netos de imigrantes europeus. Apenas a avó paterna era nascida na Europa, mais precisamente, na Letônia, de religião batista. Por causa deste pormenor, seu pai Ernesto foi batizado na religião católica pelos 20 anos de idade.

- Seminário: – Nas Missões populares de 1947, foi convidado por Frei João Bosco Erdrich a ir com ele para ser missionário. O menino topou e, em 1948 entrou no Seminário de Rodeio, seguindo todo o percurso de formação na Província, passando por Rio Negro (1950-1952), Agudos (1953-1956), Noviciado em Rodeio (1957) (59 anos de Vida Franciscana), Filosofia em Curitiba (1958-1959) e Teologia em Petrópolis (1960-1963), onde fez a Profissão solene aos 23.12.1960 e foi ordenado presbítero aos15 de dezembro de 1962 (54 anos de Sacerdócio).

- Roma: – De 1963-1967 fez a Licença e o Doutorado em Teologia com Especialização em Sagrada Liturgia no Pontifício Ateneu Anselmiano, em Roma, com a graça de acompanhar e viver de perto vários anos do Concílio Vaticano II (1963-1965).

- Petrópolis: – De 1967-1973 foi Professor de Liturgia no Instituto Teológico Franciscano em Petrópolis, tendo sido também Assistente da Ordem III local como era chamada então, e da Fraternidade Regional. Foi algum tempo Vigário da Casa e Diretor do Instituto. Foi também Assistente de uma Equipe de Nossa Senhora. Foi Professor de Liturgia no CEFEPAL e Membro da Comissão de Tradutores dos Textos Litúrgicos da CNBB, que funcionava no Rio de Janeiro.

- Rodeio: – De 1974-1979, Mestre de Noviços, continuando a lecionar Liturgia em Petrópolis, no Instituto e no CEFEPAL, com cursos intensivos. Vigário da Casa.

- São Paulo: – De 1980-1982 viveu em São Paulo como Secretário da Província. Foi Assistente Espiritual da Fraternidade Regional da OFS, então VIII Região, abrangendo São Paulo e Mato Grosso.

- Petrópolis: – De 1983-1985, integrou a Equipe de Mestres em Petrópolis, sendo nomeado, em 1984, Assistente Espiritual e Pastoral da OFS Nacional pela OFM.
- Brasília: – De 1986-1991, Assessor de Liturgia da CNBB, sendo locado no Convento de Petrópolis, morando com os Frades em Brasília.

- Rio de Janeiro: – De 1992-1994, Convento de Santo Antônio no Rio de Janeiro como Diretor “virtual” do Santuário, Secretário Provincial da Evangelização Missionária e Coordenador de Traduções e Edições de Textos Litúrgicos da CNBB. Foi Vigário da Casa. Retomou também aulas de Liturgia em Petrópolis.

- Petrópolis: – A partir de 1995, Membro da Fraternidade São Francisco, junto ao futuro Instituto Teológico Franciscano: Professor de Liturgia no nosso Instituto, Secretário da Evangelização Missionária (1995-1997), Coordenador de Traduções e Edições de Textos Litúrgicos da CNBB, Assistente das Irmãs Clarissas na Gávea, Rio de Janeiro. De 2000 a 2003 foi assistente nacional da OFS, assistente das Clarissas do Rio de Janeiro, e assistente litúrgico dos Coral dos Canarinhos. Em 2004, foi nomeado novamente assistente espiritual das Irmãs Clarissas do Rio de Janeiro.

FONTE: Franciscanos.org.br

 

 



ÚLTIMOS LANÇAMENTOS

Lançado em: 27-06-2017

CNBB lança documento sobre iniciação à vida cristã, aprovado na última Assembleia Geral


Lançado em: 24-06-2017

XII Domingo do Tempo Comum - Se a confiança é uma resposta nossa ao amor de Deus para conosco, o que abala essa confiança?


Lançado em: 21-06-2017

Os santos, testemunhas e companheiros de esperança


Lançado em: 18-06-2017

32ª Semana do Migrante busca conquistar direitos para refugiados e migrantes no Brasil


Lançado em: 16-06-2017

Os desafios e iniciativas sustentáveis da Igreja e da sociedade no combate à desertificação e a seca